Musculação e flexibilidade: Concorrentes ou aliados?

Autor: Felipe Nassau - Currículo e contato

felipe.nassau@gmail.com

Resumo em tópicos

  • Não há evidências de que a musculação executada de modo adequado favoreça perdas de flexibilidade ou desvios posturais.
  • Encurtamentos musculares e patologias posturais causadas pela musculação se devem a execuções com amplitudes e/ou cargas adequadas.
  • Agachamentos profundos, levantamentos estendidos (stiff), supinos e desenvolvimentos com amplitudes máximas são seguros, segundo a literatura científica.
  • Exercícios de força com amplitudes máximas, bem planejados, bem supervisionados e bem executados além de serem totalmente seguros, são utilizados na prevenção e tratamento de encurtamentos musculares e desvios posturais.
  • A causa destes problemas não se deve à prática da musculação em si, mas à prática não orientada, ou orientada por profissionais que negligenciem os fundamentos da musculação.

                       

Musculação “endurece” a pessoa?

É comum ouvir afirmações como: “a musculação faz o corpo perder flexibilidade”, “musculação deixa a pessoa “endurecida”, porém estes são alguns dos maiores equívocos da história da ciência do esporte, porque nunca foi comprovada em estudos científicos tal afirmação. Em contrapartida, é comum identificar que muitos dos praticantes de musculação apresentam baixos níveis de flexibilidade e desvios posturais causados por encurtamentos musculares.

Causas do encurtamento muscular e perda de flexibilidade na musculação

Uma possível explicação para esse fato não está na prática da musculação em si, mas sim, na prática da musculação de forma inadequada. Assim como é comum identificar os problemas de flexibilidade e postura, também é rotineiro observar que a execução dos movimentos na musculação, muitas das vezes, é feita em amplitudes reduzidas e com cargas mais altas que o suportável em condições adequadas.

Podemos tomar como exemplo o mito dos 90º. Todos já devem ter ouvido em algum momento que é perigoso realizar agachamentos ou leg press em que o joelho realize uma flexão superior a 90º, ou realizar supinos e desenvolvimentos em que os cotovelos flexionem além de 90º, todavia, tais afirmações são inverídicas, porque o trabalho intenso e cargas incompatíveis com amplitudes de execução máximas é que são realmente as principais causas dos encurtamentos musculares gerados pela musculação.

A título de curiosidade, um agachamento profundo com cargas elevadas solicita menos do ligamento cruzado anterior que uma caminhada, pois no agachamento a tendência de deslocamento da tíbia à frente é anulada pelas forças aplicadas na musculatura posterior da coxa e panturrilhas, o que não ocorre na caminhada.

Como agir onde já o quadro de encurtamento já está instalado

Diagnosticado um caso de encurtamento muscular, a intervenção não é simplesmente orientar ao aluno a realizar o movimento com uma maior amplitude, pois será impossível trabalhar com movimentos completos com a mesma carga que ele utilizava para realizar metade do movimento, podendo até ser lesivo em muitos casos.

Ajustada a carga, é necessário identificar qual a real amplitude máxima alcançada pelo indivíduo. Pode ser possível conseguir realizar toda a amplitude do movimento, porém, com dificuldade nos ângulos mais profundos, afinal, como não eram utilizados, o corpo terá uma menor capacidade de realizar trabalho nesses ângulos. Porém, pode ocorrer que a pessoa não consiga nem realizar todo o movimento, mesmo com cargas leves, e, neste caso, é necessário, além de aumentar a amplitude dos exercícios da musculação com seu devido ajuste de carga,  executar também um trabalho de flexibilidade com alongamentos (em um momento apropriado).

Musculação e ganhos de flexibilidade

A musculação realizada com amplitudes máximas não só é segura como evita futuras lesões e pode inclusive melhorar a flexibilidade. Há alguns artigos científicos que evidenciam ganhos de flexibilidade apenas com o uso da musculação, mesmo em baixas intensidades, utilizando exercícios básicos como agachamentos profundos, crucifixo com halteres com amplitudes máximas e levantamentos estendidos (stiff lifting).

           

Conclusões

            A perda de flexibilidade e os encurtamentos musculares podem até ocorrer com frequência na musculação, porém, suas causas não estão na prática em si, mas na prática mal orientada ou mal acompanhada. Levantar pesos com amplitudes máximas não só é seguro, mas também preventivo. A prática de musculação sob a prescrição e supervisão de um profissional de educação física habilidoso e bem executada pelo praticante só tem a contribuir para um corpo harmônico, podendo inclusive solucionar problemas de encurtamento muscular e de postura, além de aumentar a flexibilidade, contribuindo para um corpo mais bonito e saudável.

 

Leia também:

Alongamentos: Mitos e verdades

Amplitude: onde estão os resultados seguros? Uma questão de coerência...

Treinamento: Individualizado! Com ou sem Personal Trainer

Agachamentos: parte 1 - mitos e evidências. O que é mais coerente???

Treinamento concorrente – É possível utilizar musculação, aeróbios e treinos intervalados em um mesmo plano de treinamento?

Referências

·          KALAPOTHARAKOS, V.I.; MICHALAPOULOS, M.; TOKMAKIDDIS, S.P.; GODOLIAS, G.; GOURGOULIS, V. Effects of a Heavy and moderate resistance training on functional performance in older adults. Journal of strength and conditioning research. N.19, v.3, p.652-57, 2005

·          BASSEY, E.J.;.FIATARONE, M.A.; O’NEIL, E.F.;  KELLY, M.; EVANS, W.J.; LIPSITZ, L.A. Leg extensor power and functional performance in very old men and women. Clin. Sci, v.82, p321-7, 1995

·          FRATOUROS, I.G.; TAXILDARIS, K.; TOKMAKIDIS, S.P.; KALAPOTARAKOS, V.; AGGELOUSIS, N; ATHANASOPOULOS, S.; ZEERIS, I.; KATRABASAS, I.  The effects of strength training, cardiovascular training and their combination on flexibility of inactive older adults. In. journal of Sports and medicine, n.23, p.112-19, 2002

·          N.Zheng. An analytical model of the knee for estimation of internal forces during exercise. Journal of Biomechanics, Volume 31, Issue 10, Pages 963-967

·          ESCAMILLA, R. F. Knee biomechanics of the dynamic squat exercise. Med. Sci. Sports Exerc., Vol. 33, No. 1, 2001, pp. 127-141.

·          ZATSIORSKY, V.M.; KRAEMER, W.J. Ciência e prática do treinamento de força. 2ª ed. Ed Phorte, 2008.